"SE NÃO MORRERMOS BOMBARDEADOS PELAS CONSTANTES MENTIRAS DOS MEDIA, VAMOS MORRER NA IGNORÂNCIA DOS QUE OS ALIMENTAM".

sábado, junho 17, 2006

Coitados, grande desilusão!


Nesta semana completa de trabalho, incluindo os dois feriados do santo antoninho e do corpus christi em que cheguei a fazer mais de 12 horas por dia a trabalhar, esta chuva diária tem sido uma doce vingança e um suave bálsamo para o meu ego tão aviltado pelas visões intoleráveis e dilacerantes de milhares de tugas, tias, tios e quejandos sobrinhos a ir ”a banhos” lá para as bandas do Sul, enquanto eu para aqui a aturar empreiteiros, pessoal imigrante a partir chão com maravilhosos e suaves martelos pneumáticos de 20 Kgs, fazer massa para um pavimento de um piso da fábrica, aplicar resina epoxy, reposicionar quadros eléctricos de potência e comando mais a respectiva cablagem (a que eu chamo spagetti), enfim um imenso numero de acções dignas de quem como eu ainda faz alguma coisa por este país da treta.

Mas valerá a pena?????

Valerá a pena quando assisto embasbacado na Televisão da nossa tristeza que os agricultores, “coitadinhos” exigem um subsídio do governo para fazer frente aos prejuízos causados pela abençoada carga de água que caiu neste mês de Junho?

Valerá a pena quando vejo o maralhal estar-se nas tintas e partir de vacations para o Algarve e outros locais à conta dos cartões de crédito que jamais conseguirão pagar durante todos os anos de vida que lhes restam?

Valerá a pena quando vejo os professores do nosso atraso intelectual aproveitarem a semana prolongada para fazerem greve nacional?

Valerá a pena quando assisto estupefacto ao fecho da Opel Azambuja, única e exclusivamente por má gestão, por não ter sabido aplicar as verbas recebidas do governo há cerca de quatro anos?

Valerá a pena quando alguns se preparavam para iniciar a anual “dança do fogo” dando início às queimadas das nossas florestas para depois, com a complacência das autoridades, dos bombeiros e de algumas autarquias obterem os respectivos dividendos?

Valerá a pena quando se continua a assistir a autênticos anormais fazer das estradas e auto-estradas deste País pistas de corridas querendo, agarrados ao volante, esconder a sua impotência (em todos os seus aspectos)?

Valerá a pena continuar quando a lista enorme das anormalidades é infindável?

Não, realmente não vale a pena.
Esta chuva abençoada veio “estragar” muita coisa que não estava bem, veio limpar muito “esterco” acumulado, veio arrefecer e perfumar o ambiente doentio que é, e tem sido nos últimos anos a cansativa estação do Verão.

Através da janela do gabinete da fábrica onde trabalho vejo a doçura das árvores e jardins que me rodeiam, ouço a passarada a cantar, vejo a relva molhada verde e fresca, vejo as nuvens de um cinzento claro a deslizarem suavemente de Sudoeste para Nordeste, prenuncio de que mais água, única e verdadeira fonte da vida, vai cair e que vai, para minha alegria e satisfação, continuar a estragar os planos de muitos que fazem da farra e da irresponsabilidade a desgraça deste país.

Sem comentários: