"SE NÃO MORRERMOS BOMBARDEADOS PELAS CONSTANTES MENTIRAS DOS MEDIA, VAMOS MORRER NA IGNORÂNCIA DOS QUE OS ALIMENTAM".

quarta-feira, dezembro 11, 2013

Mandela e os hipócritas


É bom registar, para termos presente e sabermos informar os mais novos, fazendo com que não se esqueçam: por isso aqui deixo o extracto da intervenção do Deputado António Filipe do PCP.

Quando alguns choram lágrimas de crocodilo por NENHUM CHEFE DE UM ESTADO EUROPEU ter sido convidado para discursar durante a comemoração fúnebre de Madiba, isso deve-se ao facto de em tempos não muito longos, muitos países europeus (ocidentais claro está) presentes, terem considerado Nelson Mandela um terrorista e não um lutador contra o apartheid e a segregação racial.

Só que a doce vingança serve-se mais tarde ou mais cedo, seja a frio ou até quando necessário e porque não, a quente.
Felizmente que vem sempre.
E veio!!
-
Intervenção do Deputado António Filipe do PCP em 18 de Julho de 2008, nos 90 anos de Nelson Mandela na Assembleia da República.

"(...) aquilo que os senhores não querem que se diga, lendo os vossos votos, é que Mandela esteve até hoje na lista de terroristas dos Estados Unidos da América.
Mas isto é verdade! É público e notório - toda a gente o sabe!
Os senhores não querem que se diga que Nelson Mandela conduziu uma luta armada contra o apartheid, mas isto é um facto histórico.
Embora os senhores não o digam, é a verdade, e os senhores não podem omitir a realidade.
Os senhores não querem que se diga que, quando, em 1987, a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou, com 129 votos, um apelo para a libertação incondicional de Nelson Mandela, os três países que votaram contra foram os Estados Unidos da América, de Reagan, a Grã-Bretanha, de Thatcher, e o governo português, da altura.*
Isto é a realidade! Está documentado!
Não querem que se diga que, em 1986, o governo português tentou sabotar, na União Europeia, as sanções contra o regime do apartheid.
Não querem que se diga que a imprensa de direita portuguesa titulava, em 1985, que: «Eanes recebeu em Belém um terrorista sul-africano». Este «terrorista» era Oliver Tambo!
São, portanto, estes embaraços que os senhores não querem que fiquem escritos num voto.
Não querem que se diga que a derrota do apartheid não se deveu a um gesto de boa vontade dos racistas sul-africanos mas à heroica luta do povo sul-africano, de Mandela e à solidariedade das forças progressistas mundiais contra aqueles que defenderam até ao fim o regime do apartheid.(...)"
-
Sabem quem era o 1º ministro do governo português em 1987 e que votou conta? CAVACO SILVA!




Sem comentários: