"SE NÃO MORRERMOS BOMBARDEADOS PELAS CONSTANTES MENTIRAS DOS MEDIA, VAMOS MORRER NA IGNORÂNCIA DOS QUE OS ALIMENTAM".

segunda-feira, abril 25, 2011

O 25 de Abril mais triste!



Assembleia da República dissolvida
Parlamentares recusaram comemoração alternativa do 25 de Abril
Público 25/04/2011


1974 - 2011
37 anos depois.
Seguramente o 25 de Abril mais triste e angustiante vivido em Portugal.
Para trás ficaram as esperanças, as alegrias do porvir, o orgulho de termos dado início a uma nova era, era de desenvolvimento social, económico, cultural e educacional.

Tudo falhou.
Todo um País inteiro falhou.
Embalado no embuste criado pelo consumismo e pelo hábito oficializado de obter resultados sem luta, todo o País entrou no atoleiro.

Criaram-se monstros a todos os níveis, nem valendo a pena especificar se este ou aquele ramo da economia ou da educação foram os piores.
Tudo foi mau.
Tudo é mau neste momento e tudo prepara-se para ser mau daqui para frente.

Culpados?
Não, não foram só os malditos partidos, os malditos comentaristas e jornalistas, os amaldiçoados economistas, os políticos traficantes de almas, os governos de mentecaptos que nos enganaram diariamente, no envergonham internacionalmente, toda essa escumalha que nos denegriu, aviltou e destruiu durante 37 anos; os culpados também fomos nós próprios, portugueses que nos deixamos levar pela traição com base no princípio que é mais fácil o crédito do que trabalhar para o bem comum.

E aqui estamos entregues a estrangeiros, talvez eles próprios mais tolerantes e conhecedores da nossa realidade do que nós próprios, mesquinhos e pretensos donos da nossa casa.

Com tudo isto e com base no que foi o nosso passado, mais uma vez na nossa história fica claro que o pior inimigo de Portugal são efectivamente os ........ portugueses!

terça-feira, abril 12, 2011

Não esperava Dr. Fernando Nobre

Reacção
Morais Sarmento considera que Nobre não tem perfil para presidir ao Parlamento
12.04.2011 - 11:54 Por PÚBLICO

O social-democrata Nuno Morais Sarmento considera que Fernando Nobre não tem perfil para ser presidente da Assembleia da República e diz que não se revê no antigo candidato presidencial como segunda figura do Estado.

Confesso que me enganei Dr..
Ou antes; que me enganou o que me revolta ainda mais.
No dia 21 de Janeiro escrevi aqui uma saudação a um candidato presidencial cujo perfil supostamente independente dos malditos partidos, me forneceu indicações suficientes para quase cegamente o seguir como leader deste desgraçado país, onde com alguma infelicidade sentida nasci e ainda vivo.

Acalentei as esperanças de ver neste personagem um homem cuja cariz profundamente humanitário me levou a pensar numa possível alternativa à gentalha político-partidária que nos ultimos 20 a 25 anos pulula e envenena o nosso meio ambiente.

Assumi para mim uma das suas melhores divisas alguma vez ditas, como uma meta e uma provocação no sentido de atingir aqueles que destroçaram esta terra; ser politicamente incorrecto para ser Humanamente correcto.

Vejo agora com profunda tristeza que me enganei.
Vejo que se deixou levar pelo veneno de sectores do país responsáveis pela desgraça que trespassa esta terra.
Ainda por cima um maldito partido de direita.
É muito mau para tão pouco tempo.

Vou ter de rever tudo o que aprendi e tomei como valores a seguir.
Só que já não devo ir a tempo.
Também agora já não me importo.
Quem por cá ficar seguramente não merece melhor.
Servirá de castigo a um País sem sentido, sem alma, quase que ......... sem o direito a existir.