"SE NÃO MORRERMOS BOMBARDEADOS PELAS CONSTANTES MENTIRAS DOS MEDIA, VAMOS MORRER NA IGNORÂNCIA DOS QUE OS ALIMENTAM".

terça-feira, março 31, 2009

Onde estamos? Para onde vamos?

Confesso que estou confuso, triste, amargurado e angustiado com o que nos rodeia.
Sempre que volto a Portugal, tudo o que revejo e ouço me causa um sentimento estranho de insegurança e tristeza.
Aliado ao facto de uma economia que está a enviar este País para patamares de desenvolvimento de outras eras passadas e que jamais gostaríamos de reviver, volta a tristeza às pessoas.
Caiu-se na real.
Afinal andámos a viver com nuvens à volta do pescoço a taparem-nos o resto do corpo sem poder vêr como ele, esse corpo, definhava, tal era a nossa pobre soberba.

Empresas que fecham, trabalhadores na rua às dezenas de milhar a manifestarem-se, casos Freeports, Magistrados aldrabões, Justiça canalha, defesa e libertação de criminosos, processos sumários a polícias, agressões verbais baixas e mesquinhas a membros do governo, conluios dos "media" para criminosas alterações políticas nas próximas eleições, mentiras abissais, tiroteios nas ruas, etc, etc……….!?
Mas onde estamos nós???
Para onde vamos nós?????

Estamos a abrandar.
Estamos a ficar para trás.

Economicamente os nossos vizinhos espanhóis, alemães ou franceses nada nos compram.
Fecham-se em si próprios e como possuem infra-estruturas económicas colossais algo ainda resistentes, os tugas que estendam a mão a outros (hábito lusitano). Que se arranjem!
Por cá, a inteligência, a pró actividade e a consciência de que algo terá de ser feito, emigra!
Não está para se perder neste lodo.
Emigra outra vez, não como os avós dos anos cinquenta e sessenta, mas emigra. Nem sequer vão olhar para trás.
O solo Pátrio é padrasto (alguma vez deixou de o ser?).
Paradoxalmente, um País sempre ofendido por nós, roubado e vilipendiado é hoje uma das poucas luzes ao fundo do túnel; Angola!
Paradoxalmente, mas é verdade! Angola, a minha sempre querida Angola coração da mãe África!

Dá mesmo vontade de dizer; cá se fazem cá se pagam!

Cá estamos nós, portugueses, mais uma vez, a cingirmo-nos à tradicional pequenez de acções e ideias!
Realmente se nunca se aprendeu em nove séculos de independente existência, jamais se aprenderá!

1 comentário:

Luis disse...

Até estava a gostar de ler, mas tinhas de estragar a prosa, Angola???
a luz ao fundo do tunel??? eu acdo que é o novo local de poisio dos "trafulhas", "chicos-espertos" e dos teus tão queridos "tugas".
Abraço