"SE NÃO MORRERMOS BOMBARDEADOS PELAS CONSTANTES MENTIRAS DOS MEDIA, VAMOS MORRER NA IGNORÂNCIA DOS QUE OS ALIMENTAM".

segunda-feira, novembro 19, 2007

Oxalá me engane

A partir do dia 10 de Dezembro de 2007, com a independência do Kosovo (?), não nos assiste no Ocidente qualquer tipo de moral para não se aceitar o direito à independência das províncias autónomas espanholas, da destruição da Bélgica (valões para um lado e flamengos para o outro), escoceses, galeses, etnias minoritárias na Hungria, Roménia, República Checa, países do Báltico, minorias nas antigas repúblicas soviéticas, etc, etc, etc.
Que não se procure inventar situações diferentes consoante o quadrante político em que nos encontramos e que não atinjamos orgasmos intelectuais da treta para se desculpar "este" porque alinha com os Russos e "aqueles" porque se alinham com as democracias Ocidentais.
As asneiras que cá se fazem, pagá-las-emos mais tarde, não tenhamos dúvida e esta independência do Kosovo, por imposição do tio sam e dos seus mac donalds apalhaçados, vão-nos seguramente causar muita dor e angustia daqui a alguns meses.
Oxalá me engane!

domingo, novembro 11, 2007

São 740.000



São 740.000 portugueses os pobres mais pobres contabilizados pelas estatísticas nacionais.
São 7,4% da população do País (vêr Público de 11 de Novembro de 2007).
Vivem com menos de €8.0 por dia.
Leu bem; € 8.0 por dia.

Pouco mais do que um bitoque que muitos de nós, à hora de almoço, mastiga nas “manjedouras” no centro das grandes cidades deste País que desde que me conheço tem sido, na pior acepção da palavra padrasto para os seus filhos.
E ainda ficam de fora os séculos anteriores para não nos envergonharmos mais.

E por favor não me venham com a conversa paternalista e moralista da treta, dizer que esta gente não quer trabalhar!

Existe isso sim uma injustiça social gritante em que é cada vez mais evidente a petulância imoral, estúpida e mesquinha de uns quantos que fazem alarde das suas posses (sabe-se lá de que maneira chegaram a essas posses), perante uma classe média atrofiada, sem peso nenhum na política e organização portuguesa e uma classe pobre cada vez mais pobre e numerosa.

Já vivi e conheço o suficiente para com toda a certeza afirmar que somos incapazes de solucionar as questões mais básicas de uma vivência no mínimo digna para todos os nossos compatriotas. Faz parte da nossa cultura gostar de ter "os nossos pobrezinhos, os nosso pedintes".

Por isso devia haver contenção e um pouco de vergonha quando falamos das deficiências sociais noutros países e não olhamos para o nosso umbigo onde o mau cheiro tresanda há muito tempo.

Se houve esperança após o 25 de Abril essa foi morta à nascença, pois nenhum dos partidos que nos governou foi até hoje capaz de eliminar esta chaga social.
Mesmo após a entrada na Comunidade Europeia e com todo o dinheiro que se recebeu fomos incapazes de ultrapassar os limites mínimos de vivência e bem estar social.

Fomos acusados de incompetência em gestão de dinheiros comunitários, chamados de ladrões.
Remetendo-nos vergonhosamente para o fim da lista, inclusive atrás de Países que há bem pouco estavam em pior situação. Simplesmente degradante!

Podemos acusar este povo de falta de cultura, de analfabetismo e de falta de cuidado nos seus gastos e despesas. É verdade mas não é tudo.
Após o 25 de Abril de 1974 as facilidades, a falta de preparação e cultura, entre muitas outras razões, foram responsáveis pela rebaldaria que se gerou na altura e se projectou nas gerações seguintes.

Nós não queríamos que os nossos descendentes passassem o que passámos durante o governo fascista de Salazar e seus esbirros! E errámos muito começando por nivelar por baixo.

E agora ao fim de 34 anos, continuamos como anteriormente a referir-nos a pessoas que vivem no limiar de pobreza, da ajuda de amigos ou familiares.

Tal como nos anos sessenta! Na miséria quase completa!
E isto num país de 10 milhões de habitantes em plena Europa dita "democrática" e tolerante, lado a lado com um País vizinho que nos dá exemplos de desenvolvimento.
Nem assim somos capazes de o imitar, de aprender.

Em Portugal com toda a normalidade e imoralidade desculpam-se dívidas familiares de 12 milhões de Euros, entre outras (muitíssimas) situações de gritante injustiça em que os lucros da banca de centenas de milhão de Euros são um exemplo gritante.

É o mercado a funcionar, dirão os nossos “inteligentes” economistas (simples contabilistas) e alguns comentaristas de imprensa que venderam a alma ao diabo (leia-se patronato) para poderem engordar e lambusarem-se com as sobras que lhes atiram para debaixo da mesa ou para o canto da sala.

Já dei para este peditório o suficiente, mas ainda me comovi quando ouvi e vi no Pavilhão Atlântico a Mariza cantar um poema sobre o meu povo.

Com alguma dor, há algum tempo, dou por mim a afastar-me cada vez mais de Portugal.
Neste momento muitos dos seus filhos e seguramente os melhores, Portugal não os merece. Por isso se vão para sempre.
Está realmente na hora de sair!

Quando é necessária uma revolução a sério, pouco me interessa uma pseudo evolução que seguramente não irá alterar nada do que existe de mal na nossa sociedade.
Não sou daqueles que se contenta por haver uma rosa no entulho.
Normalmente retiro-a com cuidade e vou plantá-la num canteiro limpo!

sábado, novembro 10, 2007

"Bienvenido a usted Compañero Hugo Chavez"



Ei-lo que chega a Santiago de Chile!!!!

E logo no discurso de introdução, nada como saudar a memória de Salvador Allende!
A provocaçãozinha com um delicioso sabor agridoce para desenjoar o protocolo sonolento e fastidioso ad nauseum da entrada dos outros “senhores” que de imediato, passaram despercebidos e enviados para um merecido segundo e/ou terceiro plano.

Tenho de admirar este HOMEM.
Admiro-o porque não tem medo de dizer na cara de “alguns democratas”, tudo o que não querem nem gostam de ouvir.
Na vida, caírem-nos algumas vaidades e engolir algumas verdades custa muito.

E então foi um engolir em seco, sorrir com um escondido ranger de dentes e, óh sublime, suprema alegria e satisfação minha (e não só seguramente), terem de aplaudir longamente até que as mãos lhes doam.

Foi assim a chegada super mediática de Hugo Chávez em Santiago de Chile. Foi assim a recepção feita pela presidente Michelle Bachelet.
Basta ler o jornal da direita chilena El Mercurio (o que lhes deve ter custado noticiar esta chegada).

Todo o resto ficou na penumbra, chegasse antes ou depois do Presidente Venezuelano.

É que cada um tem aquilo que merece e “para ir à frente dos outros é preciso ver mais do que eles” já dizia o poeta cubano José Marti.

quarta-feira, novembro 07, 2007

Porquê??



Já se ultrapassaram todas as tolerancias do admissível e há muito que se entrou no inadmissível.
É difícil entender o que se passa na cabeça das pessoas que provocam, indirectamente talvez, creio eu, tipos de acidente como aqueles que enlutaram diversas famílias nestes ultimos dias; o atropelamento na Praça do Comércio em Lisboa, outro na área de Tires e por fim o acidente que provocou mais 15 mortos na A23 em Castelo Branco.
Não é dificil a quem viaja todos os dias como eu, pelas autoestradas e estradas deste País verificar que para que uns selvagens e irracionais usem os seus carros como armas letais, outros tenham de se encolher até ao limite, caso contrário os números dos acidentados tomariam a dimensão de autentico terrorismo!
Não bastam criar-se institutos de prevenção rodoviária, aumentar as operações stops, etc, etc.
Passa tudo pela formação e pela educação das pessoas. E essa realmente não existe.

Sinto muito pelo que aconteceu às vítimas. Lamento profundamente.
O mesmo não posso dizer dos que provocaram os acidentes!
Só lhes posso desejar que lhes pese profundamente a consciência enquanto viverem!

sexta-feira, novembro 02, 2007

Rugby dar Tehran - روگبی در تهران



Por deficiência cultural, histórica ou por total desinteresse pelas realidades em países considerados erradamente fora das nossas bitolas europeias de desenvolvimento(nós que falamos tanto até nem somos um modelo de desenvolvimento a seguir seja por quem for), talvez convenha que em Portugal se saiba que o Rugby também é jogado no Irão, país islâmico, considerado pária pelos “virtuosos democratas” do costume e em fase de vir a ser agredido e invadido pelos sacro santos defensores das "liberdades democráticas e de pios direitos humanos".
Quem não sabe ou anda mal informado, ou não viu e não cheirou, obviamente que é facilmente “levado”.
Na situação de ignorância militante tão lusitana, aceita de bom grado os barretes que lhes enfiam os jornais e tv´s pela cabeça abaixo.
Eu que tive o privilégio de conhecer, viver, estudar em Tehran e de saber falar farsi (coisa que seguramente 99,99% dos tugas não sabem) vejo as coisas de outra maneira embora reconheça que como em todo o lado do mundo, muita asneira se faz e muita coisa urge modificar naquele País. Mas não falo de borla e falo com conhecimento da causa. É só essa a diferença!
Aqui vai uma jogadora de uma equipa de rugby feminina da Universidade de Tehran!
É que convém de vez em quando que se consultem alguns sites iranianos na Internet para que além de alargarmos os nossos (vossos) horizontes, concluamos que andamos a ser muito bem embarrilados.
- کشور ایران خیلی دیدنی

Grandes irresponsáveis



Confesso que depois de ter saído da empresa onde trabalhei cerca de 35 anos, mais 40 anos de descontos para a Caixa Nacional de Pensões, pensei em parar e fazer algo diferente. As condições de pré reforma são razoáveis, mais alguns posinhos, etc, dá para estar à vontade. Ainda vivi “do ar” durante 4 meses, até que o bichinho do nostálgico e necessário stress começou a picar.

Resultado; comecei a trabalhar outra vez. O ramo é diferente, mas mais aliciante. Um mês em Mozambique como consultor, se gostar voltarei ao ritmo de três meses lá, um mês cá. Vamos ver no que dá.

Mas isto serve só para intróito, para justificar o título acima referido.
Todas as manhãs, faço a estuporada A5, começando a apanhar as famigeradas bichas de carros (odeio o brasileirismo filas) a partir das portagens de S. Domingos de Rana ou Carcavelos como queiram chamar. Depois é o pára arranca do costume até Algés. Enfim, vamos ouvindo música e vendo as avarias e comportamentos dos anormais da estrada.
Mas hoje dia 2 de Novembro, foi num ápice que cheguei a Algés.
Pois; a ponte. A maldita ponte de sexta-feira depois de um feriado religioso (católico). Seguro que noventa por cento das pessoas desconhecem a razão da existência deste feriado, mas aí vão eles de abalada para fim de semana prolongado (mini férias como se diz).

Quase que param o País com estes feriados e pontes. O maralhal quer é festa, futebol e encher a boca de sardinhas (o ingleses conhecem-nos bem).

Está bem, continuem assim que vão bem longe. Depois continuem a fazer empréstimos às instituições de crédito que elas agradecem do fundo do coração a vossa parolice e estupidez, continuem-se a queixar à Deco depois de feita a burrada que ela resolve-vos o problema! Continuem a comer pão com pão (de véspera) para poderem pagar as prestações dos carros topo de gama e as casas da linha, única maneira de acharem que têm estatuto. Empenhem até à medula tudo o que não têm, para pagar os colégios privados dos vossos filhos (no oficial eles não têm capacidade intelectual para singrarem), gastem os plafond´s dos vossos cartões de crédito dourados adquiridos nos Shoppings da vossa ignorância, alimentem os patos bravos dos serviços de hotelaria do Algarve, do sul de Espanha ou, o que é pior, no Nordeste brasileiro. Todos eles agradecem a vossa ignorância, cretinice e estupidez.
Realmente este país não existe.
Depois de todos os relatórios internacionais que nos colocam nas posições secundárias em todos os aspectos, única e exclusivamente por nossa culpa, esta maltosa continua impávida e serena como se nada se passasse.
Se pudesse não contribuiria com mais nada para esta grande janaria.