"SE NÃO MORRERMOS BOMBARDEADOS PELAS CONSTANTES MENTIRAS DOS MEDIA, VAMOS MORRER NA IGNORÂNCIA DOS QUE OS ALIMENTAM".

terça-feira, agosto 28, 2007

Dupla sensação

Não é a primeira vez, nem será a ultima que tenho a sensação de viver num duplo País.
Um real, palpável, cheio de contradições apalermadas tais como o folhetim do BCP, o desaparecimento da Maddie, a propaganda doentia sobre o novo treinador do Benfica, a questão do novo aeroporto de Lisboa (nunca mais se resolve nada neste País), o TGV (idem, idem, aspas, aspas), os choradinhos ramelosos das telenovelas das execráveis SIC´s e TVI´s, etc, etc.
Outro virtual, ou pelo menos que me parece não estar coincidente com a realidade doentia portuguesa e que segue o seu caminho paralelo sem passar cartão à via do lado (direita ou esquerda já não sei).




Neste ultimo caso falo em Nelson Évora com o seu extraordinário triplo salto de 17,74 metros nos Campeonato do Mundo de Osaca e de Epifâneo da Franca cuja empresa (Chipidea Technology) foi integrada no gigante mundial americano fabricante de processadores. Nada mais nada menos do que a MIPS.




Se o primeiro com aquele sorriso doce e envergonhado deve ter posto as orelhas de alguns "prestimosos atletas" deste rincão ao rubro, o segundo sem pápas na lingua disse logo e bem que "A indústria electrónica portuguesa não tem o nível de desenvolvimento necessário para incorporar a nossa tecnologia"!
Tout court!
Devagarinho e aos poucos as realidades vão surgindo e demonstrando que só com boa formação educacional e escolar de base se conseguirá pelo menos acompanhar os melhores a nível internacional.
Até lá vamos continuar a aturar os carnavais diários que nos entopem e escurecem a mente à boa maneira tuga.

domingo, agosto 26, 2007

Sete Rosas Mais Tarde




Conheci o Eduardo à porta do café Pigalle na Amadora da minha infancia, da minha juventude, do rugby do Estrela, das contestações às diatribes e posicionamentos do PS À direita, etc.
Seguramente que não se lembrará de mim, já lá vão tantos anos e como em tudo na vida tomam-se rumos diferentes e na maior parte dos casos divergentes.
Gostava, gosto e gostarei sempre de ler os seus artigos, crónicas, comentários, um perfeito intelectual.
Sinto que com mais uma morte destas é toda uma cultura portuguesa que vai desaparecendo aos poucos, estando a tomar o seu lugar uma autentica horda periodística pirata.
Gostaria de saber qual a beleza e o sentido do título que Eduardo Prado Coelho iria dar às suas novas crónicas. Como o desconheço em absoluto é com todo o respeito que o utilizo neste meu pequeno contributo a uma pessoa que literariamente foi e será um modelo a seguir.

sábado, agosto 25, 2007

Come Be My Light

"Sinto que Deus não me quer, que Deus não é Deus e que ele não existe realmente."





O novo livro de Madre Teresa «Come Be My Light» agrupa as cartas enviadas aos seus confessores e superiores.

A correspondência salienta que passou a maior parte dos seus últimos 50 anos de vida, mais de metade da sua vida, em profunda crise espiritual. De tal ponto foi essa crise que inclusive a levou a duvidar da existência de Deus.


Bom! Quando assim é, quando um santo da casa pensa durante a sua vida deste modo ou "enlouqueceu" ou andou e sentiu que estava a enganar mundo inteiro, o que para mim é quase que imperdoável. Digo quase porque existiu nesta senhora uma consciência dos embustes em que foi e aceitou ser "enrolada" e, reconheça-se, deixou obra notável. Só por isso o quase!!

sexta-feira, agosto 24, 2007

ENDEAVOUR

Há muito que não passo cartão ao meu Blogg.
Terá sido pelo facto do tempo estar morno e sugestivo para uma "bronzeadela". Terá sido por não estar com o espirito devidamente inflamado e revoltado para estravazar as intolerâncias ou terá sido por estarem todos a banhos lá para o Al Gharb coçando as barrigas cheias de cerveja, dedos engordurados das sardinhas assadas e cheios de micose por causa das areias da praia misturadas com a água do mar?
Deve ser de tudo isto!!



Mas não podia deixar passar o espetacular feito da Endeavour, aliás como todos os feitos ligados ao Cosmos e à Conquista do Espaço.



Não sou invejoso mas Dave Williams, Scott Kelly, Barbara Morgan e os restantes quatro cosmonautas fizeram-me coçar o cotovelo.
Resta-me imaginar a visão maravilhosa de ver o nosso planeta Terra à altura de 122 milhas (219,6 Kms), durante 12 dias, 17 horas, 55 minutos e 34 segundos, até aterrar no Kenedy Space Center pelos seus próprio meios, planando como uma pena de uma ave ao sabor de um vento meigo e bonançoso.



122 milhas de altura, no espaço, extasiado com o que a Mãe Natureza nos presenteia, graças tambem ao ser humano que consegue desenvolver através das ciencias matemáticas e físicas um equipamento que só a inteligencia humana pode ou poderá conceber. Longe das guerras, das misérias, dos deuses e cristos malditos que nos atormentam e atorfiam. Quem me dera ter lá estado.
É disto que eu gosto nos Americanos!!

(As imagens foram obtidas através do site da NASA. Com a devida licença.....)!!

terça-feira, agosto 14, 2007

Iranie Kashanguy



Já que Miguel Torga é tão injustamente esquecido, haja ao menos algo que nos acalme a revolta contra tanta manha maldosa e tão lusitana!
Tenho a certeza que vão gostar "disto"!
Eu gostei, porque vi, porque vivi e senti, porque andei e porque conheci.
Jamais esquecerei esses meses de Julho e Agosto de 2005.
Seguramente que um dia voltarei!

Esquecimento manhoso

.....e claro que não era dificil de prever.



A comemoração do Centenário do Nascimento de Miguel Torga um dos maiores escritores, poeta e ensaista portugues contemporaneo, logo foi caír num período de letargia nacional usual nesta terra; o mês de Agosto.



Por parte do Governo nem um comunicado, uma representação oficial, nada de nada!!
Daí o esquecimento manhoso, maldoso e preguiçoso tão vulgarizado, adubado e cultivado no nosso País. Erva daninha!

Que chatice ter de me deslocar agora do Algarve a Lisboa para uma comemoração destas!


Segundo dizia Torga; "é preciso contestar tudo isto para se gostar disto".
Bendito Torga que assim pensava e falava.
Por mim cada vez vejo menos razões por gostar disto, Para quê contestar?

quinta-feira, agosto 09, 2007

Tou xim???




............."tou Xico, xou eu! Tou na aldeia do Piódão!, Num xabes undé? Nuncóbiste falar home?? Dijem qé muita conhexida. Fica aqui pra xima, numa xerra qualquera que tem uns groundes mountes", perguntava um "turista emigra" vestido com os seus horrorosos calções pirata às riscas brancas e amarelas, uma tshirt cinzenta horror (cor de fome) que mal lhe tapava a proeminente pança, calçando nos pés aqueles pirosos chinelos havaianos "made in Indonesia", agarrado a um telemóvel ultima geração que comprou "nas francias" e encostado à porta de um "xitroan che 4" de 2007 com aquelas pavorosas chapas de matrícula cor amarela, onde através da instalação sonora do veículo berrava poluentemente um nefando Quim Barreiros (ou parecido).
Enfim; um perfeito Tuga.



Olhei para ele e para a paisagem que me rodeava e pensei que alguem ali estava a mais, que destoava completamente. Era como se por instantes algum pato bravo recebe-se autorização camarária de construir um arranha céus de 30 andares no meio da Praça do Marques de Pombal e a 5 metros da estátua do mesmo.




Mas também poderia ser eu que estivesse a mais! Pensei que poderia estar a sonhar. Belisquei-me, dei carolos na cabeça, pisei-me a mim próprio. Mordi os dedos. Mas não. Eu estava realmente lá, tinha "visto", "cheirado" e "ouvido" bem demais!!




Perguntei para mim mesmo porque estaria eu desta maneira? Afinal todos têm o mesmos direitos de ver a beleza de uma aldeia como o Piódão, de subir e deliciar-se com as paisagens únicas das serras do Açor e da Lousã, de se extasiar com o nascer ou pôr do Sol nas suas encostas, de caminhar pelos seus trilhos de uma beleza incomparável, de se deixar levar pela música dos seus silencios, de ouvir o cantar das cigarras e dos seus pássaros.




Será que todos sabem "ver" e "sentir" isto?? Será que todos merecem "ter" estas paisagens?? Será que sim??. Às vezes penso que não, mas é só às vezes, depois passa-me!

sábado, agosto 04, 2007

در تهارن به خوش آمدید (Bem vindo a Tehran)



Apresenta uma canção que fala do amor e risco pela velocidade (Eshgh e sorat), pela velocidade que imprimimos à vida, tornando-a cada vez mais confusa, mais asfixiante, mais perigosa.



Acima de tudo esta canção faz-me lembrar, com alguma saudade os tempos que deambulei pelas avenidas desta espetacular cidade.



Nem o cheiro a gasolina, o trânsito louco, as milhares de pessoas nas ruas, os pregões matinais, os 45º graus de temperatura me fazem esquece os momentos felizes que aqui vivi. Não há duvida, tenho de lá voltar.

quinta-feira, agosto 02, 2007

For the greatest Show on Earth



Falta pouco mais de um mês para o maior evento desportivo do Mundo; Rugby World Cup 2007.
Lá estarei a assistir aos Lobos Lusitanos que embora sem hipóteses algumas (o Rugby é um desporto lógico e ganham sempre o melhores), vão seguramente escrever uma página gloriosa do desporto nacional na modalidade que para mim foi e é uma das maiores paixões da minha vida.

Get ready friends and take a look on the preview. I will be there

HAKA - Espírito de Equipa



Nem todos podemos ser Allblacks.
Como em tudo na vida, não se faz um grande team com jogadores comuns.
Podem-se fazer "coisas interessantes" mas coisas primordiais, essas não.