"SE NÃO MORRERMOS BOMBARDEADOS PELAS CONSTANTES MENTIRAS DOS MEDIA, VAMOS MORRER NA IGNORÂNCIA DOS QUE OS ALIMENTAM".

quinta-feira, setembro 28, 2006

Dikhät, dikhät!!




Atenção, atenção!! Afirmação a título de aviso e ameaça em língua turca, de um jornal de Ankara sobre a irresponsável atitude de Durão Barroso em suspender a entrada da Turquia na Comunidade Europeia.

Dada a completa negligência que foram as últimas admissões, fecha-se a asneira com chave de ouro admitindo no seio da Comunidade a Bulgária e a Roménia.

Durão Barroso fá-lo com um único critério que resulta de deficientes pareceres e comprometimentos anteriores, longe de se basearem em princípios estruturais necessários para a entrada desses países. Conhecem-se muito bem as falhas nas capacidades de ambos e dos resquícios mafiosos geradores das respectivas economias.

Entram na Comunidade, para um virtual bem estar deles, mas para um real e evidente mal estar nosso.

Perante este facto continua de fora o único país que nos asseguraria melhores condições não só político-económicas mas acima de tudo de segurança no flanco Sudeste; a Turquia.

Aqui a cobardia europeia dos nossos dirigentes, a falta de visão estratégica e o pavor ao islamismo é o mote.

É o mote para que se elimine um país de estado laico que, mau grado alguns problemas internos com a repisada e enjoativa ad vómito, teoria da agressão aos direitos humanos (uma treta), tem feito, mais do qualquer outro, um esforço enorme (visível até a invisuais) para acompanhar os princípios básicos do desenvolvimento da Comunidade.

O isolamento temporário da Turquia perspectiva a primeira fase da futura decadência da Comunidade Europeia com a consequente transferência dos poderes económicos e políticos para outras zonas do globo que irremediavelmente ascenderão tanto para o bem como para o mal da humanidade; o Médio Oriente com o aumento do poder certo e inquestionável do Irão (que faz fronteira com a Turquia e tal como esta em fase de desenvolvimento acelerado), a ascensão da Índia e a rápida e sempre desejada supremacia da China.

Quem não quiser ver esta evidência, então não tem o direito a tomar responsabilidade sobre os destinos da Europa.
E porquê?
Porque com a derrota previsível dos EUA no Iraque e Afeganistão, a impossibilidade de se solucionar “a bem” a questão da Palestina, o descrédito e o desrespeito pela política Americana em todo o Mundo, a ascensão tecnológica da Índia e da China, deveria ver-se que a Europa não terá outra solução senão andar a reboque das economias florescentes para mais tarde ou mais cedo servir de museu às vindouras classes predominantes desses países.

A Turquia fez bem em lançar uma última chamada de atenção (dikhät), mas fará muito melhor se seguir os seus destinos e alinhar por quem lhe oferece mais e melhor!
A longo prazo seguramente que não será a Europa.

terça-feira, setembro 26, 2006

Amore che vieni, amore che vai




Quei giorni perduti a rincorrere il vento
A chiederci un bacio e volerne altri cento
Un giorno qualunque li ricorderai
Amore che fuggi da me tornerai

E tu che con gli occhi di un altro colore
Mi dici le stesse parole d´amore
Fra un mese fra un anno scordate le avrai
Amore che vieni da me fuggirai

Venuto dal sole o da spiagge gelate
Perduto in novembre o col vento d´estate
Io t´ho amato sempre non t´ho amato mai
Amore che viene amore che vai

terça-feira, setembro 19, 2006

MONSENHOR RATZINGER



Não acredito Eminência, que não soubesses o que estava a dizer! Algo deverá estar por trás desta jogada de mestre.
A sua transparente inteligência e a sua altives intelectual que lhe sai pelos poros, seguramente que não dá motivos para enganos!

Das duas uma:
Ou foi muito bem orientado, para que provocasse uma situação de clivagem nas já péssimas relações entre Católicos e Muçulmanos, o que eu não acredito, ou por outro lado aproveitou, de acordo com os seus pricípios de intelectual elitista, transparecer o seu sentimento íntimo de intolerância com o Islão e reprovação para com o legado do seu antecessor.

Resta saber se acertou em cheio!
De Papa tem muito pouco, mas de Monsenhor sobra-lhe algo de sublime: o charme!

sexta-feira, setembro 08, 2006

INDIGÊNCIA





INDIGÊNCIA…………...., algo que melhor do que ninguém somos capazes de gerar sem necessidade de grande esforço.
Espectáculo; o caso Mateus.

Os espectáculos representados nos últimos dias por um Valentim Loureiro, pela acabrunhada e semi-morta figura de Madaíl e por um hilariante Fiúza, são cenas de uma peça que só os portugueses sabem representar e bem.

Os três canais da Televisão nacional, conseguiram corporizar este evento como se de um fenómeno épico nacional se tratasse levando à cena em horário nobre a transmissão directa do Pavilhão de Barcelos onde se reuniram corpos gerentes e associados do Gil Vicente.

Angustia por realmente fazer parte deste triste palco que é Portugal.

quarta-feira, setembro 06, 2006

O IDIOTA




Depois de afirmar que o Governo Americano tem todo o direito de proceder a prisões e torturas indiscriminadas sobre prisioneiros considerados terroristas, Buch do alto da sua estúpida arrogância, abriu mais um daqueles “inteligentes” precedente ao autorizar implicitamente que qualquer outro Estado, pertença ele ao eixo do Mal, do Bem ou do Assi-Assim, efectue pela mesma bitola o mesmo tipos de “aprovisionamentos” humanos.

Após a sua subida ao poder esta “inteligência” não descansou enquanto não invadiu e destruiu dois países que, se no caso do Afeganistão até se poderia contemporizar em virtude de na altura ali estar instalado um poder politico totalmente anormal (os Taliban), no caso do Iraque foi de uma falta de senso e de visão política que sinceramente não encontro no meu léxico adjectivos para o definir.

E pior ainda, mentiu a toda a humanidade com a história esfarrapada das armas de destruição maciça e outras “asneiras” que já deram origem a dezenas de milhar de mortos. A guerra está perdida e agora será acartar com a vergonha de uma fuga tipo Vietnam (eu não acredito que a história se repete, mas com tanta estupidez……).

Sabendo-se sem forças e com a opinião pública aos berros, preparou o criminoso ensaio que foi a invasão e destruição do Líbano lançando os seus cães de fila sionistas, lacaios e mafiosos, procurando principalmente medir o pulso da Republica Islâmica do Irão no intuito de ali, efectuar uma invasão “punitiva” pela ousadia que os Persas tiveram de desenvolver a sua tecnologia nuclear e ao mesmo tempo o seu presidente dizer o que muito boa gente neste mundo pensa e sabe mas não tem coragem de o dizer.

Só que aqui outro galo seguramente cantará e a resposta, ou muito me engano, ou poderá ser o canto do cisne do Império do Ocidente e de toda a sua tecnologia de menino mimado,

Mas de todo o mal o menos. O pior é que esse presumível e quase certo insucesso que seria uma invasão americana ao Irão, poderia ser o início da queda de toda uma civilização europeia, baseada na tolerância, no diálogo, na fraternidade e na igualdade, valores que a estupidez, a cegueira política, a maldade, o terror, a ganância pelo lucro, o capitalismo selvagem e o desejo de roubar a riqueza alheia (petróleo) não jogam uns com os outros.

Vejo neste “ser” a explicação para grande parte do terrorismo que hoje nos consome, tenha ele a origem que tiver (começou com o 11 de Setembro de um modo assaz intrigante e ainda por esclarecer de verdade!!!).

Quanto à Europa, que ainda tem alguma inteligência, dignidade e respeito pelos seus direitos e pelos direitos dos outros (estou seguro que sim), só lhe resta opor-se às loucuras desumanas, e agressivas deste perfeito idiota, tentando por todos os meios legais, ganhar algum tempo até passar este verdadeiro tempo de martírio.

Ansiamos para que chegue o dia de ver este grande idiota pelas costas. Seguramente que a humanidade respirará fundo, poderá começar a sorrir e tentará, estou seguro, ajudar aqueles que tanto têm sofrido no Médio Oriente.

Paralelamente deveria ser exigido que Buch respondesse num Tribunal Internacional pelos seus crimes contra a Humanidade. Outros foram lá parar por muitíssimo menos!

domingo, setembro 03, 2006

SANTA MADONA




De escandalo em escandalo MANDONA, a deliciosa deusa, continua a lançar nos seus espetáculos o charme e o perfume da abençoada e santa provocação que tanto horroriza os crentes da "estabilidade" religiosa que tem definhado toda a humanidade!

Adoro esta mulher, não só por esse mesmo facto mas tambem pela constante insegurança que provoca nos (a)normais moralista que nos tentam "guiar" como carneiros.
Mesmo que nunca venhas a saber quem sou, ter-me-ás sempre como teu fiel apóstolo. Bem hajas!