"SE NÃO MORRERMOS BOMBARDEADOS PELAS CONSTANTES MENTIRAS DOS MEDIA, VAMOS MORRER NA IGNORÂNCIA DOS QUE OS ALIMENTAM".

sábado, junho 17, 2006

Coitados, grande desilusão!


Nesta semana completa de trabalho, incluindo os dois feriados do santo antoninho e do corpus christi em que cheguei a fazer mais de 12 horas por dia a trabalhar, esta chuva diária tem sido uma doce vingança e um suave bálsamo para o meu ego tão aviltado pelas visões intoleráveis e dilacerantes de milhares de tugas, tias, tios e quejandos sobrinhos a ir ”a banhos” lá para as bandas do Sul, enquanto eu para aqui a aturar empreiteiros, pessoal imigrante a partir chão com maravilhosos e suaves martelos pneumáticos de 20 Kgs, fazer massa para um pavimento de um piso da fábrica, aplicar resina epoxy, reposicionar quadros eléctricos de potência e comando mais a respectiva cablagem (a que eu chamo spagetti), enfim um imenso numero de acções dignas de quem como eu ainda faz alguma coisa por este país da treta.

Mas valerá a pena?????

Valerá a pena quando assisto embasbacado na Televisão da nossa tristeza que os agricultores, “coitadinhos” exigem um subsídio do governo para fazer frente aos prejuízos causados pela abençoada carga de água que caiu neste mês de Junho?

Valerá a pena quando vejo o maralhal estar-se nas tintas e partir de vacations para o Algarve e outros locais à conta dos cartões de crédito que jamais conseguirão pagar durante todos os anos de vida que lhes restam?

Valerá a pena quando vejo os professores do nosso atraso intelectual aproveitarem a semana prolongada para fazerem greve nacional?

Valerá a pena quando assisto estupefacto ao fecho da Opel Azambuja, única e exclusivamente por má gestão, por não ter sabido aplicar as verbas recebidas do governo há cerca de quatro anos?

Valerá a pena quando alguns se preparavam para iniciar a anual “dança do fogo” dando início às queimadas das nossas florestas para depois, com a complacência das autoridades, dos bombeiros e de algumas autarquias obterem os respectivos dividendos?

Valerá a pena quando se continua a assistir a autênticos anormais fazer das estradas e auto-estradas deste País pistas de corridas querendo, agarrados ao volante, esconder a sua impotência (em todos os seus aspectos)?

Valerá a pena continuar quando a lista enorme das anormalidades é infindável?

Não, realmente não vale a pena.
Esta chuva abençoada veio “estragar” muita coisa que não estava bem, veio limpar muito “esterco” acumulado, veio arrefecer e perfumar o ambiente doentio que é, e tem sido nos últimos anos a cansativa estação do Verão.

Através da janela do gabinete da fábrica onde trabalho vejo a doçura das árvores e jardins que me rodeiam, ouço a passarada a cantar, vejo a relva molhada verde e fresca, vejo as nuvens de um cinzento claro a deslizarem suavemente de Sudoeste para Nordeste, prenuncio de que mais água, única e verdadeira fonte da vida, vai cair e que vai, para minha alegria e satisfação, continuar a estragar os planos de muitos que fazem da farra e da irresponsabilidade a desgraça deste país.

quarta-feira, junho 14, 2006

Vai fechar a fábrica de automóveis da Azambuja!

Lembro-me bem desta fábrica, quando iniciou a produção do Opel Kadet e se bem recordo do Opel Kapitan. Estamos a falar no final da década de 60, concretamente 1967 a 1969.

Era um miúdo. Recordo-me perfeitamente e com a satisfação do momento de ver na traseira desses carros um pequeno dístico com os dizeres de Montagem Portuguesa.
Vinham lindíssimos, em camiões para o cais de Alcântara para serem enviados, muitos deles por via marítima, para a Alemanha e outros países europeus.

Tempo de indústria muito diversificada e que eu me fui apercebendo ao longo dos anos de estudo neste País. Os denominados “serviços” eram restringidos à sua verdadeira dimensão ou seja; ao serviço das forças produtivas (um dia destes tecerei algumas das minhas ideias sobre “aquilo” que hoje em dia se chamam serviços).

Azambuja vai fechar!
Como resultado de vários conceitos actuais globalizantes e tão do agrado dos economistas do nosso tempo (e que eu considero apenas como contabilistas), a Azambuja vai fechar!
São “só” mais seis mil pessoas que estão em causa.

O Governo afirma que fará o possível para manter a fábrica em laboração.
Obviamente que é tudo falso. Já sabemos o resultado final. Igualzinho a tantos outros casos que têm vindo a empobrecer este País.

Hajam futebol, feriados, férias de verão, telenovelas e santinhos populares para alegrar o pagode que o resto não é problema. Vive-se o momento (e mal) porque quem vier atrás que feche a porta, que se desenrasque.

É assim Portugal século XXI!
Até quando???

segunda-feira, junho 12, 2006

"Eiterna i nobre hardança"




"Ah! Fala nuôssa i siêmpre biba/ La mais rica, eiterna i nobre hardança/ Qu'na beisos de criança/ Me dórun cul pan negro/ Mius pais í mius abós/ Falai-la, mius armanos./Guardai-la!.../ Stimai-la! .../Amai-la!.../ Fazei-la bibir an bós!.../ Pus s'eilha se bai morrendo/ Nun ajudeis a anterrá-la."


Sempre gostei de ouvir a doçura deste dialecto.
Sempre gostei de minorias. Faz-me sentir mais seguro.

sexta-feira, junho 09, 2006

هدیه


هدیه

من از نهایت شب حرف می زنم
من از نهایت تاریکی
و از نهایت شب حرف می زنم

اگر به خانه من آمدی
برای من ای مهربان چراغ بیار
و یک دریچه که از آن
به از دحام کوچه خوشبخت بنگرم

فروغ فرخزاد

quinta-feira, junho 08, 2006

A NOSSA TERRA


A nossa terra é aquela que nos trata bem, onde nos reconhecem pelo trabalho que desempenhamos, por contribuirmos para um bem comum e onde temos amigos que ao fim do dia nos convidam a tomar um copo num bar, pub, tablau ou num khaneye tchai.

A nossa terra é onde temos direito ao mínimo admissível para se viver como ser humano.

A nossa terra é onde, se quisermos, nos podemos enriquecer intelectualmente, na escola, na universidade, nos museus, nas bookshops café tão do meu gosto e seguramente tão do teu.

A nossa terra é aquela que sabemos ser internacionalmente respeitada e admirada, pelo seu poder económico, industrial, intelectual.

Penso que compreendes bem aquilo que te quero dizer e espero que pelo simples facto de trabalhares e estudares num País que te tem proporcionado tudo isto e muito mais, saibas que se por acaso, quando voltares de vez, tiveres sucessos aqui em Portugal, não o deves a esta terra onde nasceste, mas aquela que, mau grado dizeres que não gostas, te abriu as portas para um futuro melhor, caso o queiras.

Este País, para além de ser “pequenino” começa a ser pequeno demais para ti.

Há muito mais mar e mais céu azul para alem de Portugal.
È só uma questão de querer não ser medíocre.
Tu nunca o foste e nunca serás.

sábado, junho 03, 2006

INVITO AL VIAGGIO


Ti invito al viaggio
In quel paese che ti somiglia tanto
I soli languidi dei suoi cieli annebbiati
Hanno per il mio spírito líncanto
Dei tuoi occhi quando brillano offuscati

Laggiu tutto è ordine e belleza, calma e voluttà.
Il mondo sáddormenta in calda luce
Di giacinto e d´oro.
Dormono pigramente i vascelli vagabondi
Arrivati da ogni confine
Per seddisfare i tuoi desideri

MUNDIAL 2006

Gosto imenso de futebol. Seguramente mais do que a grande maioria do pessoal que transfere para a Selecção Nacional o sentimento de grandeza e orgulho nacional tentando, perante a dor diária que causa o facto de sermos um País cronicamente medíocre, enaltecer feitos virtuais e pouco edificantes.

Joguei, fui sócio e sou adepto de um dos grandes, portanto estou perfeitamente a par e inserido na atmosfera festiva que é um Campeonato Mundial de Futebol, da paixão e emoção que transmite, da curiosidade em ver como jogam selecções de países que, em princípio se pensa jogarem abaixo da bitola “definida” como potências futebolísticas e maravilhar-me quando um desses países se torna tomba gigantes transmitindo uma agradável surpresa à competição.
No meu ponto de vista creio que esse é o verdadeiro espírito da competição. Ou pelo menos deveria ser.

Mas não será um jogo de Portugal que me fará ausentar do trabalho e das minhas obrigações profissionais. Não sou capaz e não vou contribuir para que se diga, e com toda a razão, que este Pais tem índices de produtividade abaixo do normal muito embora saiba que os exemplos de quem troca os horários para ver os jogos, venha de cima, de quem administra esta terra, de um organismo do poder eleito por todos nós.
Simplesmente imoral.

Com exemplos assim, merecemos todos os epítetos daqueles que lá fora, nos acusam de sermos inviáveis.

Perante esta situação assiste-nos o direito de lhes faltar ao respeito e de chamá-los pelo nome que eles merecem: bandalhos.